Para relaxar na campanha

0
195

Edição 277 – 10/10/18 a 10/11/18
Canto da Crônica
Luis Pimentel – Ilustração: Amorim

O seu candidato a governador, senador ou deputado foi eleito? Comemore. Não se elegeu? Comemore também. O candidato a presidente está no segundo turno? Festeje, sabendo que muito mais do que ter acertado no voto é o acerto de contas com a democracia. Bacana é poder votar (nem sempre foi assim) e depois torcer para que o eleito, seja o nosso candidato ou não, justifique a confiança de quem confiou. E que se esforce, pois a coisa está feia.

Dias pré-eleitorais são sempre muito tensos; este ano tem sido particularmente mais complicado. Nervos à flor da pele, temores reais ou nem tanto rodando o futuro. Tá brabo. Por isso, conto uns causozinhos leves sobre política e políticos, só para relaxar.

Essa eu mesmo ouvi, na infância em Feira de Santana, um candidato a prefeito pedir votos assim:

– Sou pobre e vou governar para os pobres. O meu adversário é rico e só vai cuidar dos ricos. Ele não tem compromisso com a pobreza, porque nasceu em colchão de mola. Eu, não. Eu nasci foi numa cama de pau duro!

E me contaram que ali pertinho, em Nazaré das Farinhas, outro começou o comício assim:

– Se eleito, prometo a todos dessa cidade uma mesa farta!

E o eleitor, na multidão:

– Já temos, doutor! Farta arroz, farta feijão, farta farinha…

Durante a Presidência de certo caçador de marajás, quando a safadeza rolava não só com as contas de poupança do povo, um ministro “pegava” certa ministra, no caso, da Fazenda. Amigo meu, que gozava da intimidade dos dois, contou que ele ligava para ela assim:

– E aí, como vai o nosso “Tesouro”?

Entreouvido na porta da Assembleia Legislativa de um estado nordestino, campeão de corrupção:

– Um deputado desses aí pegou febre aftosa.

– Danou-se! Vamos ter que sacrificar toda a manada.

Só mais umazinha, em homenagem à eleição:

Numa festa, a madame é apresentada a eminente político nacional.

– Muito prazer – diz ele.

– Prazer – diz ela.

– Saiba que já ouvi falar muito do senhor.

– É possível, minha senhora. É possível. Mas ninguém tem provas!

E a saideira, rapidinha que nem promessa de campanha. Um candidato a prefeito discursava para o povo:

– Se eleito vou construir escola, posto de saúde, “as delegacia”, “os hospital”…

Um aliado interveio:

– Candidato, se quiser ganhar essa eleição o senhor vai ter que empregar o plural.

E ele:

– Sem problema. Vou empregar o plural e toda a família dele!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here